quinta-feira, janeiro 08, 2009

REDAÇÃO

Se eu tivesse que voltar à escola e fazer aquela famosa redação de volta as aulas. Ela seria assim:

Minhas férias em Silveiras.

As minhas férias foram bem legais. Fui pra Silveiras, uma pequena cidade no interior de São Paulo, quase perto do Rio de Janeiro. Fiquei no sitio dos pais do meu amigo Jonas. Eles são bem legais também. Comi bastante carne e tomei muito refrigerante. Fiquei com medo de não ter nada para fazer, pois ficamos no meio do mato numa casa muito bonita. Tinha tanta gente na casa que algumas pessoas precisaram dormir em barracas. Foi radical. Nunca tinha dormido numa barraca. Eu que ajudei meu pai montá-la.

Na primeira noite fiquei com medo. Era tudo muito escuro e lá de dentro ouvia barulhos estranhos que com o tempo fui descobrindo que eram vários bichos. Meu pai disse que tem muitos insetos como grilos, pernilongos, mosquitos, mas os anfíbios como os sapos e rãs eram os mais barulhentos. Vi muitos vaga-lumes. É bem legal.

Fizemos várias trilhas no meio da mata e das montanhas. Andamos muito para conhecer outros lugares. Um dia fomos numa trilha no meio da mata bem perigosa. Meu pai parecia preocupado, mas conseguimos chegar numa cachoeira bem bonita. Nadamos todos pelados. Ninguém vai ali, porque é muito difícil chegar. Foi legal. Nunca tinha entrado numa cachoeira. Não sabia que a água era tão gelada.

O que eu mais gostei mesmo foi o dia que fomos conhecer Paraty pela famosa Estrada Real. Meu pai disse que antigamente os reis passavam por lá montados em seus burros em busca de ouro. A estrada é toda esburacada e cheia de grandes pedras e ainda por cima muito estreita. É muito perigoso o carro escorregar e cair no barranco. Fiquei com um pouco de medo na ida. Era só descida.

O mais complicado foi a volta. Estava escuro, frio e chovia bastante. As pessoas estavam um pouco preocupadas. Os amigos do meu pai são motoqueiros e um outro tem uma caminhonete bem grande, só nós temos um carro pequeno. Meu pai queria desistir porque pra descer foi difícil. Ele ficou imaginando como seria subir naquelas condições. Todos o encorajaram e não o deixaram na mão. Eu fui pra caminhonete para o carro ficar mais leve. Foi bem legal viajar dentro dela. Uns amigos foram na parte de trás, seguidos pelos motoqueiros e sempre que o carro do meu pai atolava na lama todos desciam para empurrar debaixo de chuva mesmo. O carro jogava muita lama e sujava todos. Uma hora não agüentei e desci pra ajudar também. Foi bem legal e divertido, apesar de ter me molhado todo e ficado resfriado. Depois que parou a chuva e passamos por partes difíceis, meu pai parou o carro e soltou um grande grito. Devia ser algo de alívio, ou de vitória. Eu quase chorei vendo meu pai emocionado.

Então comecei a entender como é legal o trabalho de equipe que meu pai sempre falou. Parece que todos os amigos ficaram mais amigos depois disto. Foi uma noite tenebrosa, mas acho que nunca vamos esquecer. Estou super feliz por ter feito esta viagem.

Quando fomos arrumar as malas pra voltar todos ficaram tristes e com vontade de chorar. Foi difícil a despedida, pois como sempre as pessoas nunca sabem quando vão passar por isso de novo, ou se vão passar. Espero que sim e não vejo a hora de ter uma nova férias e poder fazer uma nova redação.

1 5

3 comentários:

Pedro Pellegrino disse...

Gostei da redação, menino, rsrs. Boas férias. Abração.

Vivi Motta disse...

Vaga-lume é legal! Sapo não, dá medo...
Quero de novo tudo igualzinho!!!
beijo

Pankada disse...

Valeu Pedro!!! Feliz 2009!!! Abraço